Get Started. It's Free
or sign up with your email address
Preciosa by Mind Map: Preciosa

1. Educação

1.1. Fatores de risco

1.1.1. Escolas tradicionais em regiões periféricas onde o ensino acaba desmotivando os alunos da comunidade, percebe-se a falta de temas geradores que estimulem os discentes, o que remete à Educação Bancária na pedagogia freiriana onde a Educação acaba sendo vista como depósito. O simples fato da Preciosa ser suspensa por estar grávida já demonstra a concepção de educação abordada, o que se relaciona com a falta dos temas transversais como a Sexualidade, na perspectiva da formação desse indivíduo.

1.2. Fatores de proteção

1.2.1. Escola Alternativa: Cada um Ensina Um. Essa escola que Preciosa acaba indo estudar demonstra uma Educação mais próxima da abordagem progressista e da formação do indivíduo como ser social. Uma das observações realizadas está na decoração dessa escola alternativa: quadros e cartazes com alunos negros(as) empoderados(as) trazem motivação para os excluídos da sociedade. Percebe-se também que os docentes são negros, diferentes da escola pública onde os funcionários eram em grande maioria brancos.

1.2.2. Docente: Diferença entre a atuação docente das duas escolas mostra o perfil dos educadores e como a proposta pedagógica progressista transcende as metodologias e as práticas partindo para uma formação não apenas voltada para o mercado de trabalho mas também para a formação cidadã. Exemplos como as socializações na sala de aula, as visitas as galerias de artes, a proteção à Precioso demonstram um pouco essas atitudes.

2. Família

2.1. Fatores de risco

2.1.1. Violência exercida dentro do lar, seja pela mãe quanto pelo pai, as marcas dessas agressões rodeiam toda a narrativa da Preciosa, desde os abusos físicos até os verbais.

2.1.2. Falta de incentivo e de perspectivas para a Educação, a família é posta como pertencente a um baixo pertencimento na sociedade, decorrente da estrutura racista e machista que envolve-as, estudar e se emancipar parece algo impossível.

2.1.3. Machismo e misoginia presentes no lar, percebe-se a todo momento da trama a performance de opressora de sua mãe decorrente da não aceitação corporal e étnica culpabilizando a Preciosa pela violência sofrida na relação tóxica com o machista.

2.2. Fatores de prevenção

2.2.1. Afetividade demonstrada pelo acolhimento da avó de Preciosa que estabelece uma viés de esperança nessa relação problemática que envolvem as personagens.

3. Adolescência

3.1. Fatores de risco

3.1.1. Identificação corporal com padrões estéticos não pertencentes ao próprio, como no caso da Preciosa que se espelhava em atrizes e cantoras brancas e loiras

3.1.2. A questão do Bullyng, percebe-se que ela sofria violência verbal e física de pessoas consideradas oprimidas da sociedade, mas que a partir da vivência deles, consideravam ela como inferiorizada (mulher, negra, gorda, pobre e soropositiva).

3.1.3. Abuso sexual desde a infância e o estigma/ problematização da gravidez na adolescência.

3.1.4. Signos da classe dominante nas cenas: Barbie loira que a amiguinha dela brincava, posteres no metrô de mulheres brancas, ela se olhar no espelho e refletir uma loira famosa, as atrizes e cantoras como Cindy Lauper, ou seja, a falta de representatividade de sua cultura.

3.2. Fatores de proteção

3.2.1. Pertencer a um grupo e ser aceita, Representatividade ( cartão de Natal com um Papai Noel negro pelo enfermeiro também negro e sentir-se acolhida e respeitada), dialogo sobre sexualidade, desconstrução dos estigmas da fase da adolescência.

4. Sexualidade

4.1. FATORES DE RISCO

4.1.1. A concepção de maternidade para Preciosa que descaracteriza a violência sofrida pelo incesto, tendo como significado o processo do cuidar e do amar os filhos como emancipação de sua cruel realidade, relacionando com o abuso do Estado compreendo como uma jovem que ressignifica a opressão sofrida para uma transformação da sua realidade bem como a dos seus semelhantes.

4.1.2. Violência dos corpos femininos e infantis, como os estupros que a Preciosa sofria.

4.1.3. Falta de Educação Sexual na perspectiva de autoconhecimento.

4.1.4. Gênero e raça como não pertencentes a sexualidade na perspectiva do prazer, da mulher como vida pública, pertencendo à esfera privada e ou submissa, estigmatizada em relação aos corpos brancos e magros.

4.2. FATORES DE PROTEÇÃO

4.2.1. Socialização e pertencimento à cultura do seu povo e ou da sua comunidade além do acesso aos gêneros performativos não pertencentes a heterossexualidade como no caso da professora lésbica, o que Preciosa reflete sobre suas pré concepções, até então.