PROVA DE FUNÇÃO RENAL

Jetzt loslegen. Gratis!
oder registrieren mit Ihrer E-Mail-Adresse
PROVA DE FUNÇÃO RENAL von Mind Map: PROVA DE FUNÇÃO RENAL

1. ALBUMINA: Sua função primária é a manutenção da pressão coloidosmótica (PCO) nos espaços vasculares e extravasculares (p. ex., urina, líquido cerebrospinal e líquido amniótico); A albumina é uma fonte de nutrição e também parte de um sistema-tampão complexo; É um reagente de fase aguda “negativo”, cujo nível diminui em resposta a processos infecciosos inflamatórios agudos;

1.1. A albumina é usada para avaliar o estado nutricional, a perda de albumina em doença aguda, hepatopatia e nefropatia com proteinúria, hemorragia, queimaduras, exsudatos ou extravasamentos no sistema digestório, além de outras doenças crônicas. A hipoalbuminúria é um fator de risco independente para mortalidade em idosos – a albumina sérica no momento da internação é um preditor do desfecho em clientes geriátricos.

2. CREATININA: A creatinina é um produto intermediário na degradação do fosfato da creatina muscular resultante do metabolismo energético. É produzida em velocidade constante, dependendo da massa muscular da pessoa, e é eliminada do corpo pelos rins. A produção de creatinina é constante desde que a massa muscular seja constante. Um distúrbio da função renal reduz a excreção de creatinina, resultando em aumento dos seus níveis sanguíneos.

2.1. Assim, os níveis de creatinina permitem fazer uma avaliação aproximada da taxa de filtração glomerular (TFG). A TFG estimada (TFGe) pode ser calculada usando-se a equação de Modificação da Dieta no Estudo da Doença Renal (MDRD), que requer um nível sérico de creatinina, sexo, idade e raça.

3. NÉFRON: É a unidade funcional do rim: – Nefróns corticais • Tornam a urina fluída – Nefróns justamedulares • Tornam a urina concentrada

4. URÉIA: A ureia resulta da degradação de proteínas • 30 a 40% da ureia é reabsorvida no túbulo proximal • O ramo ascendente da alça (porção grossa), túbulo distal e parte proximal do ducto coletor são impermeáveis à ureia • A porção distal do ducto coletor é altamente permeável à ureia

4.1. A ureia é formada no fígado e, junto com o CO2, constitui o produto final do metabolismo das proteínas.

4.2. O volume de ureia excretado varia diretamente com o consumo de proteínas, o aumento da excreção na febre, o diabetes e o aumento da atividade das glândulas suprarrenais.

4.3. A determinação dos níveis sanguíneos de ureia (nitrogênio ureico) é usada como indicador da função glomerular na produção e excreção de ureia.

5. OBJETIVOS

5.1. Identificar as provas de função renal; Descrever as alterações relacionadas a uréia e creatinina plasmáticas Conceituar provas de depuração.

6. FILTRAÇÃO

6.1. •Ocorre no glomérulo / cápsula de Bowman • O rim recebe 20-25% do débito cardíaco mas apenas 20% do plasma é filtrado em cada passagem • A filtração é cerca de 125 ml/min ou 180l/dia mas, em condições normais, apenas 1.5L são excretados diariamente