시작하기. 무료입니다
또는 회원 가입 e메일 주소
ABSOLUTISMO 저자: Mind Map: ABSOLUTISMO

1. 2) Hobbes e o Leviatã: Somente uma autoridade única e de poder inquestionável seria capaz de manter a paz, impedindo que os homens (maus por natureza – “o homem é lobo do homem”) se destruam. Assim, para a vida em sociedade, seria necessário um rei com poder absoluto (comparável a um monstro).

1.1. Thomas Hobbes (1588-1679) definia o Estado como “uma pessoa de cujos atos uma grande multidão, mediante pactos recíprocos [...], foi instituída [...] como autora, de modo a ela poder usar a força e os recursos de todos, da maneira que considerar conveniente, para assegurar a paz e a defesa comum.”

2. Características do absolutismo:

2.1. 1) SUPREMACIA DO REI: o rei estava acima das leis (ou seja, o rei poderia ser punido por algo?) e também tinha o poder de criar novas leis.

2.2. 2)PERSONALISMO: o funcionamento do país (setores econômico, militar, administrativo) dependia da vontade do rei.

2.3. 3) PATRIMONIALISMO: Todos os recursos estavam nas mãos dos reis. Não havia distinção entre as contas públicas e o patrimônio real (hospital, estradas e roupas e palácios eram considerados o mesmo tipo de gasto).

3. Todos os habitantes do território são súditos do rei e sujeitos à vontade real.

3.1. 1) CLERO: não pagava impostos. O alto clero morava na corte e ocupava altos cargos. Associava a imagem do rei a Deus, justificando seu poder absoluto. Atente para as imagens das páginas 165 e 166.

3.2. 2) NOBRES: perderam poder político, mas logo se aliaram ao rei. Continuavam a ter feudos. Recebiam cargos administrativos e militares. Podiam compor a corte. Isentos de impostos.

3.3. 3) BURGUESIA: recebiam proteção e apoio para expansão das atividades comerciais. Pagavam impostos. Em alguns reinos, podiam comprar títulos de nobreza.

3.4. 4) POVO: trabalhava e pagava impostos. "Recebiam" obras públicas (como hospitais) e o rei também financiava festas populares e os divertimentos em praças públicas.

4. Além da força, há todo um processo para construir a imagem do rei como alguém especial, superior, que precisava ser obedecido e admirado (estátuas, moedas, imagens, luxo das roupas, dos palácios).

5. Def. regime político no qual o poder do rei está acima da vontade de todos e não conhece limites legais no território que governa (ou seja, o rei está acima das leis). O monarca decreta leis e as aplica, cria e cobra impostos sem precisar da aprovação de grupos ou instituições. Esse regime ocorreu em regiões da Europa, entre os séculos XVI e XVIII.

6. Teorias que justificavam o absolutismo:

6.1. 1) Bossuet e a teoria do direito divino: O poder do rei teria origem divina. Logo, o rei só deveria prestar contas de seus atos a Deus. Desobedecer ao rei seria uma ofensa à vontade de Deus. (ATENÇÂO: os reis não eram considerados deuses!!!).

6.1.1. “O rei vê de mais longe e de mais alto; deve-se acreditar que ele vê melhor e deve-se obedecer-lhe sem murmurar, pois o murmúrio é uma disposição para a sedição”